27 outubro 2017

Global Power and Brazilian Nuclear Decisions

(Apresentado no INAC 2017)
 

Paulo Metri

 

ABSTRACT

 
Brazilian society declares no intention to development a nuclear artifact. This is on its Constitution. The submarine of nuclear propulsion may be used as a weapon of defense and, therefore, has a peaceful objective. Nationalism must be applied only to benefit the society. Nationalist attention has always been devoted, at various occasions, to the Brazilian nuclear sector. However, since Brazilian society has many needs and the Brazilian government always had numerous energy options, this sector has not been developed as it could be. Other successful applications of nuclear technology, besides electric generation, are not considered here. At present, the country is experiencing a moment of harassment of liberal forces. It is difficult to know if the population understands what is going on, due to the traditional media control.  This media belongs to the capital. The rise and the fall of the nationalist strand in a country follow a global tendency and also depend of actions of the international capital. In nationalist periods, more decisions with positive social impact are taken. Therefore, sovereignty is necessary to increase the benefits to society. Unfortunately, the Brazilians deceived by the companies of mass communication and corrupt political leaderships allow the country to be dominated. Even the armed forces had their projects paralyzed. The nuclear sector, as all other, suffers with the low budget and the future is difficult to predict.

 
1. INTERSECTION OF THE NUCLEAR SECTOR AND NATIONALISM

Nationalist attention has always been dedicated to the Brazilian nuclear sector at various times. However, because Brazil is a country with many needs and has so many energy options, the nuclear sector has not been completely developed, which would be beneficial for society itself. Nevertheless, what has been done represents a reasonable advance for a latedeveloping country.

The Brazilian position about nuclear issues in international forums has always been an extreme commitment to our society. The most characteristic event of the rectitude of a representative of ours occurred with Admiral Alvaro Alberto when the US government proposed that the world reserves of thorium and uranium be “internationalized”, the called Baruch Plan. In short, this plan tried to install the control of these reserves by an international agency which would suffer strong influence of the US government [1] [2] [3].
 
On this occasion, the Admiral voted against the proposal, which he called "the United States attempt to expropriate world reserves" and proposed the Principle of Specific Compensation, which meant that no trade transaction with strategic minerals should be made with currency payment, but through the provision of technology. Underdeveloped countries, usually reserve owners, would provide the desired ore and would receive technologies.
 
Admiral Álvaro Alberto was also the responsible for the purchase of three centrifuges for uranium enrichment in post-war Germany to bring them to Brazil. This operation did not result in success. However, it proves that he was conscious, in 1954, about the importance of this technology for Brazil.
 
In 1962, the creation of the Nuclear Engineering Institute (IEN), together with the construction of the Argonauta research reactor, completed in 1965 with a 93% nationalization index, represented a reaction of Brazil to the United States program "Atoms for Peace", which planned to create dependence of developing countries on nuclear technology [5] [6].
 
Taking a leap in History of a dozen years, under General Geisel's presidency, in 1975, Brazil closed a Nuclear Agreement with Germany, which was very ambitious, but was concerned about the transfer of nuclear technology to Brazil [4]. As a consequence of this transfer, for many years, Brazil is manufacturing the fuel elements for the Angra I and Angra II plants. During the construction of Angra II, technologies were absorbed and some components were manufactured at NUCLEP. Unfortunately, knowledge is being lost due to lack of continuity in the construction of the plants.
 
The peak of the demonstration of wanting the best for the Brazilian society occurred with the constitution of the Parallel Nuclear Program. The ultimate goal has always been to endow the country with the powerful defense weapon, the submarine with nuclear propulsion. It is known that no country in the world sells this submarine. Thus, Brazil is obliged to develop the necessary technologies to possess it, being the main ones, the uranium enrichment and the construction of the compact reactor. The submarine needs other technologies to be developed, but, related to nuclear energy and with a high degree of complexity, there are only these two.
 
With respect to the development of uranium enrichment, there was great success, thanks to the Navy and IPEN team, coordinated by Vice Admiral Othon Pinheiro da Silva. The ultracentrifuges developed by this team performed above the best available at the time. However, the greatest value of the team was not their technical culture, which was great, nor their inventiveness. It was, above all, their commitment to Brazilian society. All team members struggled to achieve this great conquest. 


2. MOVEMENT OF INTERNATIONAL CAPITAL
 
A new wave of liberalism in the economy emerged a few years ago and persists to these days in most countries of the world. As it happens sometimes, the interests of capital collide with the interests of society. Also, at present, there is the prevalence of the interests of international capital over the ones of regional capitals in peripheral countries. On the other hand, in relation to privatizations, the minimum state, the withdrawal of customs barriers and the free flow of capital and so on, these capitals show unity of position.
 
Macron in France, Macri in Argentina, Kuczynski in Peru, Mario Monti in Italy, Peña Nieto in Mexico, Temer in Brazil and others [18] have in common that they have been driven to power with strong support from the capital and the media. Generally speaking, the capital wants in return of its support the transfer of resources related to the social achievements in years of workers' struggles to increase the profitability of capital. Also, in peripheral countries, the foreign capital wants to receive natural resources, productive facilities and the opening of the domestic market.
 
The changes promised by these elected, stated as beneficial to society, with some variations from country to country, consist of the reform of social security and labor legislation, greater restriction in the granting of unemployment insurance, business conditions more attractive to capital owners, privatizations, reduction of State size, responsible public accounts, reduction of taxes, free market and globalization.
 
As already mentioned, capital has managed to win elections around the world, with a great support of the media, which is its instrument of power. Media channels committed to society are very few everywhere. In these circumstances, the freedom of the press has been in practice that of the capital to manipulate the information. In the battle of information, proponents of neoliberal change argue that it brings greater efficiency, not saying that this efficiency is related to the profit generation and, unfortunately, not to the social welfare obtained.
 
However, not all is lost. There are signs that the future may be different, as new alternatives emerge [18]. In Spain, the "Podemos" on the left is a hope. The "France Insubmissa" is another reason for joy. The new leader of the English Labor Party, Jeremy Corbin, beats recent leaders of the same Party. In Mexico, Lopez Obrador of the National Regeneration Movement may come to power and reverse the current anti-national oil policy. Even in the United States, right wing paradise, the candidacy of Bernie Sanders, in the Democratic primaries, brought the hope of an outcome always considered impossible.
 
But the right has the primacy in the Western world. In Brazil, seems that it has badly chosen its representative. For obvious reasons, Temer will not have the political strength to approve all "reforms", which was the task that he received. Today, it is very difficult to predict the future of Brazil and say who will win the 2018 elections, if the right or the left. Even to say how a conservative or progressive government will decide about nuclear issues, it is not easy.
 
In the political world, where there is little nexus for the common citizens, thanks to a lot of dissimulation, there is a great disinterest among them. It is even difficult to predict whether the population's complacent posture will continue or whether this population will be discussing and analyzing with exemption the situations.
 
At the moment, Brazil is experiencing the siege of neoliberal forces. Sometimes, appears that the population begins to sketch some reaction, in spite of all the media control exerted on her. There is a heavy information control that not even the military with their censors did. Today, if it was not the social networks, which seek to raise public awareness, the population would not know what is happening and, in the next election, would vote against their own interests.
 
The relations between countries and the development of each one explain, in part, the rise and fall of the nationalist dimension in some of them. It is obvious that when the country is in a sovereign phase, neoliberal decisions do not exist. Thus, in the nationalist phase, more decisions of social interest are taken. Therefore, one should seek to increase the degree of sovereignty for the enjoyment of society. In the present phase, there is extreme invasion of the colonized countries by their colonizers in order to increase the degree of domination for their usufruct. Countries with a high degree of sovereignty protect their markets, their strategic sectors of industries and services, their universities, their sources of technology and their culture.
 
We always were part of the zone of influence of the United States, but we had presidents with more concern with sovereignty, like Vargas, Goulart and Geisel. During the Lula and Dilma governments, Brazil showed some "rebellions" in the quest for a greater degree of sovereignty, such as when it joined the BRICS countries, by participating in the creation of a BRICS-linked development bank, in forming UNASUR, with the agreement to all transactions of BRICS countries be into their currencies, by buying technology of the fighter airplane and the conventional submarine, while seeking to develop the nuclear submarine, by approving the pre-salt sharing contract, by supporting local purchases, and so on. All these attitudes were not to the liking of international capital, but they were in the interest of Brazilian society. Today, Brazil's degree of sovereignty is low. It can be said that Brazil is currently a success of domination by capitals and foreign countries.
 

3. MEDIA DOMINATION


Noam Chomsky well describes the process of media domination. It is important not forget that this media belongs to capital. According to him, there are principles, which must be followed by the media to achieve the domination of public comprehension of events. This media does not report necessarily the reality. It can also create supposed facts that satisfy the interests of the dominators. The process of domination uses knowledge of neurology, applied psychology and others, for the control of the preferences and the opinions of the population by the elite.
 
Some of the principles described by Chomsky [16] are the following: (1) fake information and even some reliable information should be inserted in the midst of the entertainment programming of TV; (2) one can lie and not show facts at will as long as the version that goes to the public is feasible; (3) problems can be created for desired positions to be imposed; (4) an unpopular measure presented in parts facilitates its acceptance; (5) the time lapse between the approval by Congress of an unpopular measure and its beginning of application must be large; (6) communication with the general public should occur as if it were addressed to the mentally weak because, acting in this way, a critical reaction is not stimulated; (7) the quality of education given to the less favored social class should be as superficial as possible, so that there will be a great distance between the awareness of this class and that of the elite; and (8) the most inhuman of all, which is to make the individual believe that he alone is to blame for his own misfortune, because of his lack of intelligence, incapacity and insufficient efforts.
 
Long before Chomsky, in the first half of the last century, Edward Bernays [15], called as the "father of public relations", was already aware of the manipulation of the masses, so much that he said: "Those who manipulate this invisible mechanism of society constitute a government. In almost every act of our daily lives, be it in the sphere of politics or business, in our social conduct or our ethical thinking, we are dominated by a relatively small number of people, who understand the mental processes and social patterns of the masses. They pull the wires that control the public mind."
 
In this context of domination of societies, armed forces are replaced by efficient entertainment and communication companies. One does not disembark anymore in beaches to dominate a country. Just have a competent communication company and start to spread many misconceptions, such as: (1) Brazil can develop thanks to the massive inflow of foreign capital into the country; (2) the best index to measure a country's growth is GDP (nothing being said about the difference between economic and social growth and the HDI); (3) there is no industrial sector that requires the existence of state-owned companies; (4) in sectors with a predominance of private companies, regulatory agencies will avoid agreements that cause damage to society; (5) Brazil can have its physical security guaranteed by the United States, not needing to spend on costly military projects; (6) for more than 150 years, Brazil has not been in conflict with any of its neighbors, which corroborates the thesis that it does not need to have strong armed forces; (7) import barriers, also known as market reserves, only serve to create technological backwardness and inefficient production; (8) in order to attract foreign capital, important for our development, we should minimize taxes in general on productive activity. Obviously, if the society adheres to these thoughts, the country ceases to be sovereign.

 
4. CONCLUSIONS
 
Any analysis of the future of the nuclear sector in Brazil depends on the future of the country, that is, its economy, its political organization, its international relationships and the degree of awareness of its society. What is left of 2017 and 2018 will be a bustling time from the political point of view, which will have repercussions for some time in all areas. As it happens with any prognosis, it will also contain some degree of subjectivity.
 
Beside these facts, the positioning of the country, after January of 2019, will be a consequence of the new president and the new Congress, both elected at the end of 2018. Since capital will probably continue financing its candidates, media will stay manipulating information and people will remain understanding very few of what is going on, things will not change too much in the political world. Society needs a break through as an educational revolution, a great participation of workers in unions, a media regulation or an ethical movement in the society, which will have repercussions in next election.
 
At this point, one must stop, because even experts in prospective analysis have difficulty to estimate how Brazil will be in 2019. Obviously, decisions about the nuclear sector will be different for each one of the Brazilian futures. But, it is certain that there will be few State resources for the construction of a new nuclear power plant or even to complete Angra III.
 
Foreign companies of construction and operation of nuclear plants want to change the Constitution so that the end of the State monopoly in this sector occurs. These companies will compete with those that produce electric energy from hydropower, wind, solar, in thermals from fossil fuels etc. Certainly, foreign nuclear generation companies must have security that can generate kWh cheaper than those generated with the other sources. Other option, that does not need to modify the Constitution, is an agreement between the State owned company Eletronuclear and Chinese or Russian firms to construct and operate nuclear power plants, being Eletronuclear the main contractor.
 
Since there are, in nowadays, two great groups of military and political power in the world
[14], the United States plus OTAN in one side, and the Shanghai group in the other, a new
“Cold War” already started. In periods when there is a division of the world power, nonallied countries may gain some advantages.
 
Only one of the applications of nuclear energy is being analyzed, but it is the one that receives the largest volumes of resources. There are applications in Health, Industry, Agriculture and others, that are being successful as well. The technology for using nuclear energy in the propulsion of submarines is being developed in Brazil not at the desirable speed because there is a lack of resources as well, in total disagreement with the country's defense needs.
 
Unfortunately, a part of the investments made in the past, in order that Brazil would dominate the nuclear generation technology, was thrown away. The greatest sadness of underdeveloped countries is not the lack of resources to implement their various projects. The greatest sadness is the fact that, since resources are scarce, a part of these resources is being completely lost. To overcome this difficulty, it would be opportune to draw up a National Project, together with society, to be a guideline for the future governments. A nuclear program, as well as a defense program, must be programs that belong to the Brazilian State and not to the government in course. This means that, if the construction of a nuclear power plant is decided, for example, in a progressive government, that was followed by a conservative one, this last government had to continue the construction.
 
Due to media domination, today there are some misconceptions about Sovereignty, such as "geopolitics is a military subject" or "buying and developing weapons, even if they are only for deterrence, it means to lose money" or "foreign companies acting in our country bring the same impacts as genuinely national companies". It is missing to explain to the people that these misconceptions were implanted on them purposely.
 
It is amazing that, thanks to the large number of foreign companies established in the country, our generous law of profit remittances and the subservience of our current authorities, Brazil is far from being a stage of war, despite the weakness of its Armed Forces. In other words, the country has recently accepted all the impositions placed by international capital. In addition, Brazil is not on the border of world powers and it is not part of any valuable market route. The Pre-Salt was discovered here, but slavishly the country is delivering a substantial part of its oil, without a great return to society. In other words, we live in one of the capital dominated countries.
 
The exacerbated capitalism represents an exclusion model, but damages of this kind may be mitigated with strong regulation of the State, what is only possible if the country is sovereign. On the other hand, based on the recent experiences of the human species, in a short horizon, capitalism is the only applicable system of economic organization.
 
 
REFERENCES
 
1.      Centro de Memória do CNPq, “Álvaro Alberto – A instituição da ciência no Brasil”, Site do CNPq, http://centrodememoria.cnpq.br/alvaro-alberto.html

2.      FGV CPDOC – Centro de Pesquisa e Documentação de História, “Álvaro Alberto da Mota e Silva”, Site da FGV, http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbetebiografico/alvaro-alberto-da-mota-e-silva

3.      J. C. V. Garcia, “Álvaro Alberto: a ciência do Brasil”, Contraponto, Rio de Janeiro, Brasil (2000)

4.      FGV         CPDOC,         “Acordo          Nuclear           Brasil-Alemanha”,      Site      da        FGV, http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/FatosImagens/AcordoNuclear

5.      A. M. R. de Andrade, “A opção nuclear: 50 anos rumo à autonomia”, CNEN e MAST/MCT, Rio de Janeiro, Brasil (2006)

6.      V. Campelo, “IEN 50 anos: tecnologia nuclear para o Brasil”, CNEN/MCTI, Rio de Janeiro, Brasil (2012)

7.      D. Motta, “Rex Nazaré: uma vida dedicada à energia nuclear”, Faperj, Rio de Janeiro, Brasil (2014)

8.      G. Camargo, “O fogo dos deuses: uma história da energia nuclear”, Contraponto, Rio de Janeiro, Brasil (2006)

9.      A. Rocha Filho e J. C. V. Garcia, “Renato Archer: energia atômica, soberania e desenvolvimento”, Contraponto, Rio de Janeiro, Brasil (2006)

10.  A. D. Vianna, “Competitividade e a indústria brasileira: por que o Brasil não é competitivo?”, Jaguatirica Digital, Rio de Janeiro, Brasil (2013)

11.  A. A. F. Vidigal e outros, “Amazônia azul: o mar que nos pertence”, Record, São Paulo, Brasil (2006)

12.  J. L. Fiori, “O poder global e a nova geopolítica das nações”, Boitempo, São Paulo, Brasil (2007)

13.  J. L. Fiori, “História, estratégia e desenvolvimento: para uma geopolítica do capitalismo”, Boitempo, Rio de Janeiro, Brasil (2014)

14.  R. Padula, “Geopolítica e Geoeconomia do Futuro: A China e o Grupo de Shangai x
        EUA/OTAN”,         Site         do          Instituto         de         Economia         da         UFRJ,
http://www.ie.ufrj.br/index.php/pos-graduacao/pepi/eventos/seminarios-sobre-a-guerra-6

15.  F.   Campos,          “Edward         Louis   Bernays”,        Site      RP       em       Perspectiva, http://perspectivasrp.blogspot.com.br/2012/05/edward-louis-bernays-freud.html

16.  N. Chomsky,       “As      10        Estratégias      de        Manipulação   Midiática”,      Site      GGN, http://jornalggn.com.br/noticia/as-10-estrategias-de-manipulacao-midiatica

17.  P. Metri, “Setor nuclear, nacionalismo, soberania, mídia e dominação”, Site Pátria Latina, http://www.patrialatina.com.br/setor-nuclear-nacionalismo-soberania-midia-edominacao/

18.  L. A. G. de Souza, “Uma direita funcional aos interesses do capital transnacional”, Site Carta Maior, http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Uma-direita-funcionalaos-interesses-do-capital-transnacional/4/38292

19.  J. E. da Veiga, “Ambiguidades sobre os rumos da geopolítica na crônica do capitalismo”, site do Valor Econômico, http://www.valor.com.br/cultura/3889696/ambiguidades-sobreos-rumos-da-geopolitica-na-cronica-do-capitalismo

01 setembro 2017

Morte barata

Paulo Metri – conselheiro do Clube de Engenharia e do CREA-RJ.

Conheci uma senhora, nos anos 60 do século passado, quando eu tinha vinte e poucos anos, e ela devia ter o dobro da minha idade. Nesta época, não existiam, pelo menos muito difundidos, os planos de saúde. Passaram uns vinte anos e ela continuou sem plano, o que foi um erro, principalmente dos seus dois filhos. Infelizmente, ela teve um tumor no cérebro e seus filhos foram obrigados a pagar, com grande esforço financeiro, a operação, consultas e exames.
Antes da operação, ainda lúcida, ela chegou a pedir ao médico para tirar-lhe a vida, o que foi obviamente negado. Ela argumentava:
- Irei dar muito prejuízo para meus filhos. Eu só quero uma “morte barata”!
Nos dias atuais, vemos a recriação dos fatores que irão fazer muitos de nós solicitarem uma “morte barata”. Uma informação a conferir, mas bem plausível para os tempos atuais, é que as empresas de plano de saúde não estão mais oferecendo planos nos quais elas são proibidas de rejeitar a continuidade do mesmo a qualquer época, a menos que o beneficiário esteja deixando de pagar regularmente.
Provavelmente ocorrerá do beneficiário de um plano ser “dispensado” a partir do momento em que atingir a idade crítica a partir da qual, na média, os gastos de saúde ultrapassarão os pagamentos mensais do plano. Ou seja, quando o beneficiário irá mais precisar do plano, este será revogado. A ideia do seguro coletivo, nascida na Inglaterra no século XIX, está sendo hoje refutada, por empresas que não irão mais trabalhar dentro dos princípios éticos racionais da seguridade da assistência médica e hospitalar.
 Através de cálculo atuarial, os ideólogos do sistema de seguro coletivo imaginavam que o fundo coletivo criado por um grupo com as contribuições de seus componentes durante anos iria cobrir os gastos com saúde do grupo e, ainda, restaria algum lucro. Hoje, a cada mês, o fundo deve dar lucro e, quando começar a dar prejuízo, porque as pessoas envelheceram, o seguro é extinto.
São inúmeras e profundas as medidas antissociais que o capital está providenciando, neste instante, no Brasil, país onde ele está livre para causar o dano que quiser, pois a capacidade de absorção de sofrimentos do nosso povo tem se mostrado imensa. Este fato antinatural deve levar sociólogos e antropólogos à busca da compreensão da aparente irracionalidade.
Nas minhas divagações à procura de nexo, sem a formação ideal, encontro um arremedo de causa. Temos no nosso DNA, com orgulho, grande participação da etnia negra. Assim, nossos antepassados sobreviveram aos mais terríveis sofrimentos impostos pelos colonizadores europeus. Os vivos de hoje são descendentes daqueles que se calaram com muita dor.
Entretanto, uma conscientização precisa ocorrer, pois os opressores atuais não irão abrir mão de suas regalias injustas facilmente. Não há democracia em um país em que uma pequena casta, os inquilinos da Casa Grande, concentra tantos poderes e propriedades. É preciso que a sociedade mostre sua indignação, de forma pacífica, mas contundente e determinada.
Existe outro problema. A nossa mídia convencional, apesar de ter perdido influência nos últimos tempos, ainda é a mais importante fonte de informação da população. Na verdade, ela é um instrumento de dominação do capital, à medida que deturpa fatos, informa acontecimentos irrelevantes, para tergiversar, e não informa o principal. Cabe à população consciente continuar na árdua e nobre tarefa de informar seus irmãos, muitos dos quais nem sabem que estão mal informados.
Para encerrar o conjunto de desgraças brasileiras atuais, os próprios Executivo, Congresso e Judiciário brasileiros são inimigos do seu povo. Que reflexão explica esta situação disparatada? A questão é gravíssima, pois temos um presidente, ministros, juízes, deputados e senadores que tratam o povo inacreditavelmente com escárnio. Ouso dizer, em comparação macabra, que o brasileiro sofre hoje, esquecendo as especificidades das épocas, tanto quanto no período da ditadura de 1964. 

03 agosto 2017

Quantas vezes irão tentar matar Getúlio?

Paulo Metri – conselheiro do Clube de Engenharia e do CREA-RJ

Getúlio foi assassinado em 24 de agosto de 1954. Quem puxou o gatilho que lhe varou o coração foram seres abjetos, como Carlos Lacerda, os componentes da república do Galeão, além das aves de rapina denunciadas pelo próprio Getúlio em sua carta testamento. Todos tinham o dedo no gatilho do revolver assassino. Vira e mexe, ouvimos as investidas da elite excludente, querendo aumentar seus lucros com a pauperização dos indefesos. Estes que tinham em Getúlio, seu defensor incondicional.
Quando Fidel Castro morreu, o jurista José Paulo Cavalcanti Filho escreveu um texto dizendo, basicamente, que existiram dois Fideis, sendo o primeiro aquele que libertou o povo cubano do déspota Fulgencio Batista, trouxe muitos benefícios para este povo e era companheiro de Che Guevara. O segundo Fidel, dito de forma sumária, foi o ditador.
O escritor acrescentou: “Qual dos dois Fideis vai sobreviver? Eis a questão. É cedo para saber. Hitler recuperou uma Alemanha despedaçada; mas ficou, apenas, como um assassino frio de judeus. Enquanto Getúlio Vargas, que ascendeu ao poder numa espiral autoritária, permaneceu pelos compromissos com os trabalhadores. E por ser responsável pelas bases econômicas de um Brasil moderno.
Resta saber também quem os “vencedores”, os que contam a história, querem que a lembrança perdure ou desapareça. Muitas vezes, o culto à memória de um morto é incomodo para a elite dominante sob o ponto de vista político. Portanto, os que se sentem mal com o culto tratam de matar o morto, o que seria sua segunda morte.
Como herói do nosso povo, Getúlio tem sido trazido do túmulo, frequentemente, ou para salvar a sociedade brasileira ou ser considerado culpado pelas mazelas que nos afligem. Na década de 90, falava-se até em “sepultar a era Vargas”.
Hoje, com a tranquilidade de quem é dono da mídia tradicional e, assim, pode transformar mentira em verdade, desmerecem a obra social de Getúlio para afastá-lo da memória coletiva como o “pai dos pobres”. Ou seja, dedos apressados, querendo ganhar notoriedade, buscam também puxar o gatilho para, agora, matar o legado de Getúlio. Chega-se a dizer absurdos como: a CLT não está atualizada e não beneficia o trabalhador porque proíbe mais contratações. Ou seja, o desemprego não é causado pela recessão imposta, mas graças à CLT.
Em Filosofia, fala-se das duas mortes de um homem. A primeira é a tão temida por todos e a segunda ocorre quando seu legado é esquecido. A mitologia grega descreve o dilema de Aquiles, que poderia morrer jovem e ser lembrado por séculos pelos seus atos heroicos ou morrer de velhice com a família, porém desconhecido.
O plano para a chegada ao poder dos inimigos do povo inclui, objetivando o sucesso do intento, o compartilhamento do poder com outros grupos. No caso atual, o Congresso está compartilhando o poder com o Judiciário, a mídia, a elite econômica e, provavelmente, com certo país estrangeiro. Uma trama desta magnitude tem grande chance de enganar o povo, a ponto de ele vir a escolher caminhos que lhe são prejudiciais. O triste povo precisa desenvolver defesas contra este plano maquiavélico de poder. O maior e primordial passo deve ser buscar ter acesso a fontes de informações fidedignas.
Sobre o ato de se fazer justiça, principalmente, levando em consideração o princípio da presunção da inocência, é sugerido que o filme antigo “Doze homens e uma sentença” seja assistido. O espectador verá que o juiz Moro não parece em nada com o jurado representado pelo ator Henry Fonda. Principalmente, por este não ter ódio ao suposto criminoso, nem compromisso com ninguém para condená-lo.
Tenho esperança que não conseguirão assassinar, de novo, Getúlio, através de acusações a seu legado pela mídia tendenciosa, sem possibilidade de contraponto e sem racionalidade social! Getúlio, em sua segunda carta testamento, a que foi manuscrita e é pouco conhecida, diz profeticamente: “A resposta do povo virá mais tarde ..." Podendo ser acrescentado: “Getúlio vive e viverá para sempre entre nós”.

14 julho 2017

Ápice da transgressão neoliberal

(Publicado no Correio da Cidadania a partir de 14/07/17)

Paulo Metri

Os últimos acontecimentos seguiram um script com lógica irretocável levando em conta o momento mundial e as condições brasileiras. Uma nova onda neoliberal está varrendo o ocidente e, por isso, não é obra da roleta do destino assumirem as chefias de Estado ou de governo Macron, Macri, Kuczynski, Monti e Peña Nieto, e ocorrer o golpe no Brasil. Todos têm em comum, inclusive Temer, terem sido guindados ao poder com forte apoio do capital.
 O sucesso de experiências mais compromissadas com a sociedade e de menor subserviência aos mercados, do início do atual século, não foram bem transmitidas para a nova geração, perdendo-se na memória dos mais velhos, cujas teses precisam ser combatidas, pensam os jovens, para que eles possam trilhar seus caminhos. Sem garantir que a opção mais atraente para a sociedade é imune a erros, ela é melhor que o liberalismo econômico.
Sinais foram emitidos pelo Fórum Econômico Mundial do que estava por vir. Não importará qual será o número da reedição do neoliberalismo, elas sempre trarão exclusão social. As agências reguladoras do mercado são retumbantes fracassos, quando vistas como órgãos para não permitir a exploração da sociedade pelas corporações, e são esplendorosos sucessos como parte do processo de ludibrio da sociedade, pois permite a espoliação sem existir reação.
O ardiloso capital sempre soube que não poderia enganar tantos durante tanto tempo, se a sociedade recebesse informações corretas. Sentiu que a mídia tinha que ser dominada para poder a sociedade também ser. Como consequência, em países com população pouco politizada, não existe mais mídia independente, que analisa os fatos, dá as diversas versões, faz projeções para o futuro, podendo até recomendar posições, mas que deixa as conclusões para seus clientes tomarem. No Brasil, a mídia tradicional ou convencional não é independente. Como consequência, muitos brasileiros estão mal informados, o que é pior do que estarem desinformados.
Trata-se de um escárnio, a nova lei do trabalho, aprovada pelo Congresso e a ser sancionada por Temer, considerando que se está no século XXI. Não existe uma pessoa honesta que a ache boa, a menos que seja um alienado político. Se for necessário criar um teste para separar os seres do bem e os maus-caracteres, sugiro uma única pergunta: “A nova lei do trabalho é boa ou má para o trabalhador?” Assim, com o poder econômico e a mídia tendenciando as eleições, e sendo a sociedade pouco politizada, ela dificilmente irá crescer.
Outra aberração social e, também, aberração jurídica e democrática, foi o Moro condenar Lula a nove anos e meio de prisão. Não vou repetir os argumentos de juristas fora da influência do capital, até porque eles estão na mídia alternativa, mas este fato é outra involução da sociedade brasileira. Finalizando a penca de infelicidades recentes, a permissão para Temer ser investigado, solicitada pela Procuradoria Geral, foi rejeitada na CCJ da Câmara.
O que estes três fatos mostram, além da proximidade das suas ocorrências, é que eles irão permitir ao capital continuar acumulando riquezas em futuro próximo. Moro se motivou para condenar Lula mais pelo seu “crime” de tirar 32 milhões de miseráveis das suas tristes condições. Se fosse bastante franco, este juiz escreveria na sentença proferida o seguinte: “Cada grupo de 3,368 milhões de miseráveis retirados da morte próxima, por governante traidor dos princípios do liberalismo econômico, merece um ano de prisão, para servir de exemplo para que ninguém mais ouse mexer na exclusão social, cuja consequente mais valia usurpada abastece nossa burguesia”.
Contudo, uma onda contra o neoliberalismo está despontando no horizonte. Tem-se o “Podemos” espanhol, a “França Insubmissa”, o novo trabalhismo inglês, com Jeremy Corbin, o Movimento Regeneração Nacional do México com Lopez Obrador e, também, Bernie Sanders, nos Estados Unidos. Mas, esta nova onda não tem a força de penetração nas massas que têm a mídia controlada e os marqueteiros pagos pelo capital.
Desta forma, se os brasileiros querem que uma onda positiva chegue ao Brasil e expulse a corja de neoliberais corruptos incrustrados em diversas das nossas instituições, só tem uma receita: ir para a rua para protestar, sabendo que só contará com a mídia alternativa. Se a massa que aderir às manifestações for expressiva, tudo será possível, inclusive eleições diretas já!

20 junho 2017

Base de Alcântara

(Publicado no Jornal Brasil Popular de 22/06/17)

Paulo Metri

A Coroa Portuguesa, quando a Colônia foi invadida por franceses e holandeses, lutou para expulsá-los. 60 mil brasileiros morreram para que não houvesse perda de território nacional para os invasores paraguaios. O Barão do Rio Branco dedicou parte da sua vida à expansão das fronteiras nacionais. Agora, há a intenção de esta Base ser entregue sem usufruto algum para a nossa sociedade aos Estados Unidos da América (EUA).
Este país comprou, conquistou através da força, ou negociou territórios com o Reino Unido, a França, a Espanha, o México, a Rússia e o Canada, para quase triplicar a sua área original. O usurpador do governo brasileiro, não representativo do nosso povo por ser golpista, quer entregar parcela do território nacional para os EUA, para a instalação de base militar.
Se fosse por compensação financeira, o Brasil lucraria muito mais com o serviço de lançamento de satélites, a partir de sua própria base e seu veiculo lançador. Alcântara, devido ao seu posicionamento estratégico na linha do Equador, é cobiçada.
Sendo Alcântara entregue aos EUA, a área será território estadunidense e serão proibidas inspeções pelas nossas autoridades do que lá existe. Em situação de guerra, Alcântara, será usada pelos EUA, certamente, para o lançamento de mísseis com ogivas nucleares. Sem ser o único, é conhecida a postura belicista deste país.
A Alínea a do Inciso XXIII do Artigo 21 da nossa Constituição diz que: “toda atividade nuclear em território nacional somente será admitida para fins pacíficos e mediante aprovação do Congresso Nacional”. Assim, existe um impasse constitucional.
Além disso, a partir do momento que existirem misseis nucleares no Brasil, potenciais adversários dos EUA passam a direcionar seus mísseis também para o Brasil. Assim, ceder Alcântara é também se colocar no palco de uma eventual guerra nuclear.

31 maio 2017

Setor nuclear, nacionalismo, soberania, mídia e dominação

Paulo Metri

Ao setor nuclear brasileiro, foi sempre dedicada atenção nacionalista, em várias épocas. Contudo, devido ao Brasil ser um país com inúmeras carências e possuir tantas opções energéticas, este setor não foi mais desenvolvido, o que seria benéfico para a própria sociedade. Porem, o que foi feito representa um razoável avanço para um país de desenvolvimento tardio.
A posição brasileira sobre questões nucleares em fóruns internacionais sempre foi de extremo compromisso com a nossa sociedade. O evento mais característico da retidão de um representante nosso ocorreu com o Almirante Álvaro Alberto quando da proposição do governo estadunidense quanto às reservas do mundo de tório e urânio, chamada de Plano Baruch. Em resumo, este plano determinava que elas ficariam sob o controle de uma agência internacional, sobre a qual os Estados Unidos teriam forte influência.
Nesta oportunidade, o Almirante votou contra a proposta, que ele chamava de "tentativa dos Estados Unidos de desapropriar as reservas mundiais" e propôs o Princípio das Compensações Específicas, que significava que nenhuma transação comercial com minerais estratégicos deveria ser realizada com o pagamento em moeda, mas através do fornecimento de tecnologia. Os países subdesenvolvidos, em geral donos de reservas, forneceriam o minério desejado em troca do recebimento de tecnologias.
O Almirante Álvaro Alberto foi também o idealizador da compra de três centrífugas para o enriquecimento de urânio, na Alemanha do pós-guerra, que ainda estava sob o controle norte americano, e de trazê-las para o Brasil. Esta operação não resultou em sucesso. Entretanto, prova que ele sabia, em 1954, sobre a importância desta tecnologia para o Brasil.
No ano de 1962, a criação do Instituto de Engenharia Nuclear (IEN), junto com a construção do reator de pesquisas Argonauta, concluído em 1965 com 93% de índice de nacionalização, representou uma reação do Brasil ao programa “Átomos para a Paz” dos Estados Unidos, que buscava criar dependência dos países em desenvolvimento àquele país com relação à tecnologia nuclear.
Dando um salto na história de uma dezena de anos, durante o governo do General Geisel, em 1975, o Brasil fechou o Acordo Nuclear com a Alemanha, que era muito ambicioso, mas tinha preocupação com a transferência da tecnologia nuclear para o Brasil. Como consequência desta transferência, por exemplo, o Brasil, há anos, fabrica as recargas de elementos combustíveis para as usinas de Angra I e Angra II. Durante a construção de Angra II, tecnologias foram absorvidas e uns poucos componentes foram fabricados na NUCLEP. Infelizmente, o conhecimento está sendo perdido por falta de continuidade na construção das usinas.
O auge da demonstração de querer o melhor para a sociedade brasileira ocorreu com a constituição do Programa Nuclear Paralelo. O objetivo último sempre foi dotar o país da potente arma de defesa, o submarino de propulsão nuclear. Sabe-se que nenhum país do mundo vende este submarino. Assim, o Brasil é obrigado a desenvolver as tecnologias necessárias para possui-lo, sendo as principais, o enriquecimento do urânio e a construção do reator compacto. O submarino necessita do desenvolvimento de outras tecnologias, mas, relacionadas com a energia nuclear e com alto grau de complexidade, são estas duas.
Com relação ao desenvolvimento do enriquecimento de urânio, houve grande sucesso, graças à equipe da Marinha e do IPEN, coordenada pelo Vice-Almirante Othon Pinheiro da Silva. As ultracentrífugas desenvolvidas por ela tinham um desempenho acima das melhores existentes à época. Entretanto, o maior valor desta equipe não foi a sua cultura técnica, que era grande, nem a sua capacidade inventiva. Foi, principalmente, o seu comprometimento com a sociedade brasileira. Todos os membros da equipe se esforçaram para conseguir este grande feito.
No momento presente, o país vive o assédio de forças neoliberais e entreguistas. Mas a população começa a reagir, apesar de todo controle midiático que se tem sobre ela. Trata-se do maior controle de informações já visto no país. Nem os militares com seus sensores com tesouras vetavam tanto o que o povo podia saber. Hoje, se não fossem as redes sociais, que buscam conscientizar a população, esta não saberia o que ocorre e, na próxima eleição, votaria contra os seus próprios interesses.
As relações interestatais e o desenvolvimento de cada nação explicam, em parte, a ascensão e a queda da vertente nacionalista em muitos países. Pode-se superpor a curva das decisões neoliberais e entreguistas ao longo do tempo com a curva do grau de soberania do país no tempo. Será notado que, quando o Brasil está em fase mais soberana, as decisões neoliberais e entreguistas são menores. Portanto, deve-se buscar aumentar o grau de soberania para usufruto da sociedade. Na atual fase dos Estados Nacionais, há extrema invasão dos países colonizados pelos colonizadores visando aumentar o grau de dominação.
Países com alto grau de soberania protegem seus mercados, seus setores estratégicos de indústrias e serviços, suas universidades fronteiras do conhecimento, suas fontes geradoras de tecnologia e sua cultura. Os brasileiros, enganados pelas empresas de comunicação de massa, em um sistema sem regulação, permitem que o país seja completamente dominado. Hoje, pode-se dizer que o Brasil é um relativo sucesso de dominação por capitais e países estrangeiros.
Em um novo formato de dominação de sociedades, forças armadas foram substituídas por eficientes empresas de entretenimento e comunicação. Não se desembarca mais em praias para tomar de assalto um país. Basta possuir uma forte empresa de comunicação e se começar a divulgar inúmeros conceitos errados, como, por exemplo:
1.      O Brasil pode se desenvolver, com aumento do IDH, graças à entrada maciça de capital estrangeiro no país.
2.      Não há setor industrial que necessite da existência de empresas estatais.
3.      Em setores com predominância de empresas privadas, são necessárias agências reguladoras para, dentre outros objetivos, proteger a sociedade.
4.      O Brasil pode ter sua segurança física garantida pelos Estados Unidos, não necessitando gastar em projetos militares custosos.
5.      Há mais de 150 anos, o Brasil não entra em conflito com nenhum dos seus vizinhos, o que corrobora a tese de não precisar ter forças armadas fortes.
6.      As barreiras à importação, também conhecidas como reservas de mercado, só servem para criar atraso tecnológico e ineficiência produtiva.
7.      Para atrair o capital estrangeiro, importante para nosso desenvolvimento, devemos minimizar os impostos de uma forma geral sobre a atividade produtiva.
Sempre fizemos parte da zona de influência dos Estados Unidos. Tivemos presidentes com maior preocupação com relação à soberania, como Vargas, Goulart e Geisel. Durante os governos Lula e Dilma, o Brasil chegou a mostrar “rebeldias”, na busca por maior grau de soberania, como quando se juntou aos países do BRICS, ao formar a UNASUL, ao participar da criação de um banco de desenvolvimento ligado ao BRICS, ao concordar em transacionar mercadorias em moedas dos países do BRICS, ao comprar caça e submarino com absorção de tecnologia, ao procurar desenvolver o submarino nuclear, ao aprovar o contrato de partilha para o Pré-Sal, ao apoiar a Petrobras ser a operadora única do Pré-Sal, ao exigir as compras locais e, assim, por diante.
 Todas estas atitudes, apesar de não terem agradado aos capitais internacionais, não podem ser consideradas nem agressões, nem hostilidades, pois simplesmente elas eram do interesse brasileiro. Este acréscimo de soberania tem sido perdido a partir do momento em que Temer tomou a presidência.
Por incrível que possa parecer, graças ao grande número de empresas estrangeiras instaladas no país, à nossa lei generosa de remessa de lucros, à debilidade das nossas forças armadas e à subserviência das nossas atuais autoridades, o Brasil está muito longe de ser um palco de guerra. Em outras palavras, nosso país tem aceitado, recentemente, todas as imposições colocadas pelo país imperial. Além disso, não estamos na fronteira entre potências mundiais. Um país do Oriente Médio, da Ásia Central e do Leste da Europa são possíveis palcos de guerra.
Por outro lado, existem tantos conceitos errados, hoje, no nosso país. Por exemplo: “o Brasil não precisa de Forças Armadas”, “a geopolítica é coisa de militar” e “comprar ou desenvolver armamentos é jogar dinheiro fora”. Resta procurar destruir todos os conceitos errados propositadamente colocados para a população.
Existe um dado novo no setor nuclear quase paralisado. Empresas estrangeiras de construção e operação de usinas nucleares querem a mudança da Constituição para que ocorra o término do monopólio estatal neste setor. Com isso, estas empresas irão concorrer com aquelas que produzem energia elétrica a partir de energia hidráulica, eólica, solar, em térmicas a partir de combustíveis fósseis etc. Certamente, as empresas estrangeiras de geração nucleoelétrica devem ter segurança que poderão gerar kwh mais baratos que aqueles gerados com as demais fontes. Está-se analisando somente uma das aplicações da energia nuclear, mas ela é a que movimenta os maiores volumes de recursos.
Infelizmente, uma parte dos investimentos feitos no passado para o Brasil ter domínio desta tecnologia, está sendo jogada no lixo, hoje. A maior tristeza de um país subdesenvolvido não é a carência de recursos para impulsionar os seus diversos projetos, mas é o fato de, tendo enormes carências, parte dos poucos recursos existentes ser jogada no lixo. Seria oportuna a elaboração, junto com a sociedade, de um projeto nacional a ser seguido por todos.

12 maio 2017

Nunca visto

Paulo Metri - conselheiro do Clube de Engenharia

Vejo, pela cidade, cenas que minha retina já registrou no passado. A população de mendigos, que tinha crescido nos anos 90 do século passado e declinado nos anos 2000, voltou a crescer. Pelo menos por onde eu ando, vejo fila de mendigos nas calçadas com seus pedidos de esmola angustiantes, dizendo que têm fome, algo de cortar o coração.
Como, em toda sociedade, existem aqueles que pensam conservadoramente, um amigo, para o qual eu contei este fato, retrucou: “quanto melhor a representação, maior a chance de se receber a esmola e, ainda, de maior valor”. Supondo verdadeira esta afirmação, de qualquer forma, ainda resta a dúvida: “Por que ele passou a aceitar esta humilhação para obter algum trocado, uma vez que ela não era uma prática em passado recente?” Acho que realmente as barrigas devem estar reclamando mais.
As ruas estão mais sujas, os mendigos estão sempre com suas trouxas em carrinhos de compras velhos, cheios de folhas de papelão, que servem para isolá-los do frio das calçadas. A parcela de mendigos com comportamento desequilibrado aumentou também, o que é compreensível porque a miséria vem junto com a fome, a humilhação, o desespero, a depressão, enfim, ela traz o desequilíbrio mental.
Os mendigos se aglomeram nas portas das igrejas, pois descobriram que seus frequentadores, em geral, acreditam que suas almas irão para o céu, se forem generosos. Portanto, a porta da igreja é o local exato onde eles dão esmolas, pensando em aliviar suas culpas e garantir o reino do céu.
Sobre mendigos nas portas das igrejas, lembro a história do jovem casal, filhos de dois caciques da política fluminense, que iam casar e escolheram uma das três igrejas coladas, existentes na Rua Primeiro de Março no Centro do Rio. Como os mendigos poderiam constranger os convidados e tornar feias as fotos, atendendo ao pedido de um dos pais, uma fundação estadual que abriga desamparados os coletou de forma nada gentil antes da cerimônia.
No entanto, eles deixaram o seu fedor, o que quase enfartou a responsável pela cerimônia. Desodorizantes de ambientes foram comprados às pressas e o ar da entrada da igreja foi pulverizado para tirar o “cheiro da miséria”. Assim, sugiro o número médio de mendigos na porta de igrejas como um componente da avaliação do IDH de um país.
O Brasil de Temer parece, cada vez mais, com o Brasil de FHC. Malditos os economistas e os políticos neoliberais que são os planejadores e executores das catástrofes sociais. São competentes ao assassinar os mais carentes, por inanição ou falta de atendimento médico, e em arruinar uma nação. Competentes ao transferir renda e riqueza da grande massa para a oligarquia dominante e grupos no exterior.
Entre o parágrafo anterior e este, passaram-se duas semanas, tempo em que este artigo dormitou no computador e eu mudei de opinião. Pensei melhor: o governo Temer é muito pior do que o de FHC, tanto que o título do artigo, que seria “Déjà vue”, foi transformado no atual. Conscientizei-me que Temer está ultrapassando pontos onde FHC teve escrúpulos em avançar. Por medo do fracasso na aprovação de medidas socialmente incorretas ou por ainda ter algum constrangimento ético, FHC não propôs as agressões sociais, defendidas hoje sem o mínimo de pudor por Temer. Este deve ter como lema a frase de um seu provável ídolo, Jarbas Passarinho: “Às favas, todos os escrúpulos de consciência”.
Hoje, temos a barbárie introduzida nas nossas convivências políticas e sociais, ou seja, uma involução social humilhante para a espécie. O grupo promotor das mudanças lembra o assassino que mata o único que o defende, um defensor dos direitos humanos que o julga como irresponsável social, que deve ser guardado em prisão, mas que tem direito à vida. O pobre é o construtor do acúmulo de renda e riqueza do tal grupo, no entanto ele encurta a vida deste pobre.
Não há nenhuma condescendência com os menos dotados e os incapazes. Trata-se da nova política de “Solidariedade zero”. Os subdotados têm que ser explorados porque é o que lhes cabe, se quiserem sobreviver. Assim, eles são culpados das suas condições. Tantos humanistas dedicaram suas vidas para obterem algumas conquistas sociais e elas são perdidas em um dia de votação do Congresso, cujos membros em sua maioria são seres mal formados, indignos de representar o povo.
Mas estes não são os únicos malditos. Tão ou mais malditos são muitos dos proprietários da grande mídia nacional. Se, para uma sociedade, as diversas questões fossem bem explicadas, ela nunca adotaria posições contra si própria. Então, a mídia tradicional conta para o povo versões mentirosas sobre os acontecimentos. A espoliação do povo pela classe dominante nunca é, obviamente, contada, pois esta mídia é ferramenta dos dominadores. Economistas não liberais, sindicalistas e lideranças de esquerda não têm nunca suas posições transmitidas na mídia tradicional.
Contudo, os executores do mal para o povo não se concentram no Executivo, no Legislativo e na mídia. Existem os malditos dentre os interpretadores das leis e julgadores dos membros da sociedade acusados de desvios. Tais malditos pactuariam com a oligarquia contra o povo. Existem até os da falsa oposição, que aparentam não ser malditos, mas só até chegarem ao poder, quando mostrarão as suas maldades. O recebimento dos salários do Judiciário e do Legislativo, em um país de maioria pobre e miserável, em uma interpretação ampla do conceito de Justiça, se constitue em ato imoral. O cúmulo ocorre com os salários de juízes, quando flagrados em ato de corrupção, pois há a tradição de serem “condenados” a uma aposentadoria antecipada com o salário integral!
É um momento triste da história da sociedade brasileira. Desde os primeiros anos da exploração humana no Brasil, que inclui a dos nativos, dos africanos trazidos a força para cá e dos portugueses sem fidalguia, tem-se observado ciclos, em que ora o humanismo consegue suplantar a barbárie e ora os donos do capital e do poder são os que impõem os seus interesses. Hoje, por exemplo, tenta-se impor a precarização das condições do trabalho, além de muitas outras perdas sociais.
Em uma sociedade de castas de fato, como a nossa, a existência delas já é um obstáculo para a conquista de melhorias no bem-estar social, que repercutiriam até na civilidade. Vive-se um momento de negação dos valores éticos rudimentares. Por exemplo, bandidos pés-de-chinelo pensam: “Roubam todos em todos os lugares e a toda hora, por que não posso roubar também?” Arrisco em dizer que o banditismo aumenta em fase de grande desordem social, porque o neoliberalismo exacerbado atual é o banditismo colocado em lei, ou seja, o banditismo legal. Enfim, o exemplo vindo de cima.
Medidas diversas têm sido tomadas pelo capital internacional em diversos países, principalmente naqueles não soberanos. Até background teórico foi criado para justificar o que na realidade é a exploração. São implantadas “modernizações” das relações internacionais, como o livre fluxo de mercadorias e do próprio capital, e “flexibilizações” de medidas de proteção das sociedades. O interessante é que a “modernização” do livre fluxo de seres humanos no planeta não é relevante. Por isso, muitos deles se afogam no Mediterrâneo.
Finalmente, nada aconteceria sem a atuação deletéria dela, a mãe de todos nossos males. Na arquitetura da dominação de países e suas sociedades, a principal ferramenta é a mídia, autora de versões fictícias dos eventos, deturpadora da lógica causal e hipnotizadora das sociedades. Os membros destas se transformam em alienados que votam contra seus próprios interesses e apregoam os mesmos argumentos que ela, tentáculo do capital, lhes dita. São os escravos inconscientes da mídia, de triste condição. Neste quadro, é muito difícil formar uma nação.